Saturday, December 28, 2019

PT --Full Spectrum Dominance -- Capítulo Onze -- Parte 2

CAPÍTULO ONZE -- Parte 2


Africom, China e Guerras de Recursos/Matérias Primas
Apenas algumas semanas após o Presidente George W. Bush assinar a Ordem que criou o AFRICOM, o novo comando militar dos EUA dedicado à África, vários acontecimentos sinistros eclodiram no continente rico em minerais. Essas ocorrências sugeriam que um programa importante da Presidência Obama seria concentrar os recursos dos EUA - militares e outros – para lidar com as quatro áreas principais de África: a República do Congo; o Golfo da Guiné, rico em petróleo; a região de Darfur, rica em petróleo, no sul do Sudão; e cada vez mais, a “ameaça de pirataria” da Somália às rotas marítimas, no Mar Vermelho e no Oceano Índico. (21)
O continente africano contém o que a maioria dos geólogos acredita ser a riqueza mineral mais abundante do planeta. Com a China, a Rússia, a Índia e outros 'rivais' potenciais dos EUA a começar a desenvolver laços com várias nações africanas e com as suas matérias-primas, a resposta de Washington foi clara – prevalecer pela força militar.
A República Democrática do Congo tinha sido renomeada de República do Zaire, em 1997, quando as forças de Laurent Désiré Kabila (pai do Presidente Joseph Kabila) tinham terminado os trinta e dois anos do reinado de terror de Mobutu. Os moradores continuaram a designar o país como Congo-Kinshasa.
Mapa
O Grande Vale da Fenda (Rift), em África, possui a maior concentração de matérias primas do mundo e, consequentemente, é a causa das guerras pelo controlo das mesmas.
A região de Kivu, no Congo, era o deposito geológico de alguns dos maiores minerais estratégicos do mundo. A fronteira oriental que circunda o Ruanda e o Uganda fica na margem leste do Grande Vale do Rift Africano, considerado pelos geólogos, como um dos mais ricos depósitos de minerais à face da Terra. A Grande Fenda foi a maior ruptura na superfície terrestre, estendendo-se por mais de 4.000 milhas, desde o Líbano até ao Canal de Moçambique, na parte sul do continente, contendo talvez o solo vulcânico mais fértil e a maior concentração mineral do planeta. Para quem a controlava, essa região era muito literalmente, uma mina de ouro. (22)
A República Democrática do Congo continha mais da metade do cobalto do mundo. Possuía um terço dos diamantes e, de maneira extremamente significativa, três quartos dos recursos mundiais de columbite-tantalite ou “coltan” - um componente primário dos microchips de computador e das placas de circuito impresso, essenciais para telefones móveis, computadores portáteis e outros dispositivos electrónicos modernos. (23)
A American Mineral Fields, Inc., uma empresa fortemente envolvida na promoção da adesão ao poder de Laurent Kabila, em 1996, estava, na época do seu envolvimento na guerra civil do Congo, sediada em Hope, Arkansas, cidade natal do então Presidente Bill Clinton. Os principais accionistas incluíam associados de longa data de Clinton, regressando aos seus dias como governador do Arkansas.
Vários meses antes da queda do ditador do Zaire, Mobutu Sese Seko, apoiado pela França, Laurent Kabila renegociou os contratos de mineração com várias empresas de mineração americanas e britânicas, incluindo a American Mineral Fields. O domínio corrupto de Mobutu foi encaminhado para um fim sangrento com a ajuda do Fundo Monetário Internacional, dirigido pelos EUA, que cortou o financiamento num momento crítico. (24)
Washington não estava totalmente à vontade com Laurent Kabila, que foi, finalmente, assassinado em 2001, em circunstâncias sombrias. Num estudo divulgado em Abril de 1997, apenas um mês antes do Presidente Mobutu deixar o país, o FMI recomendou “interromper, completa e abruptamente, a emissão de moeda” como parte de um programa económico de “recuperação”. Essa circunstância teve o efeito de acabar com o controlo de Mobutu sobre o dinheiro do país.
Kabila, como sucessor de Mobutu, tinha incomodado os seus apoiantes americanos ao renunciar aos acordos para vender concessões de mineração e ao recusar-se a aceitar propostas do FMI para pagar as enormes dívidas do país ocorridas durante a governação de Mobutu. O Kabila mais velho tinha fortalecido laços com a China logo após assumir o cargo, ao viajar para Pequim, onde foi calorosamente recebido pelas autoridades chinesas. (25)
As privatizações exigidas pelo FMI dos activos estatais de mineração teriam aberto as portas às empresas de mineração norte-americanas ou outras empresas relacionadas, para assumir o controlo dos principais activos minerais do país. Poucos meses depois de assumir o poder em Kinshasa, o novo governo de Laurent Kabila recebeu ordens do FMI para congelar os salários do serviço público com o objectivo de “restaurar a estabilidade macroeconómica”, uma medida que o tornaria cativo dos 'protectores' estrangeiros do seu próprio governo. Desgastado pela hiper-inflação, o salário médio do sector público caiu para o equivalente a um dólar por mês. A atracção da ajuda económica “sem encargos” da China, em contraste com as exigências do FMI, era clara.
Segundo o pesquisador canadiano Michel Chossudovsky, as exigências do FMI equivaliam a manter toda a população numa situação de pobreza abismal. Elas impediram, desde o início, uma reconstrução económica significativa do pós-guerra, alimentando assim a continuação da guerra civil congolesa na qual quase dois milhões de pessoas morreram. Laurent Kabila foi sucedido pelo seu filho, Joseph Kabila, que se tornou o primeiro presidente democraticamente eleito do Congo e que parecia manter um olhar mais atento sobre o bem-estar dos seus compatriotas do que o seu pai.
Logo que o AFRICOM se tornou operacional, em 1 de Outubro de 2008, novas crises gigantescas eclodiram na província de Kivu, na República Democrática do Congo, em Kabila. (26) O elemento comum que liga Kivu a Darfur, no sul do Sudão, era que ambas as regiões eram estrategicamente vitais para o fluxo futuro de matérias primas para  a China.
A política de Washington era simples: tentar entrar numa posição de “negação estratégica”, o termo militar usado para a capacidade de cortar os fluxos vitais de minerais e petróleo para um rival potencial, como a China.
De acordo com a Comissão Internacional de Resgate, mais de 5.400.000 civis congoleses morreram ao longo de uma guerra que prosseguia no Congo desde 1996, tornando as guerras na República Democrática do Congo no conflito mais mortal do mundo desde a Segunda Guerra Mundial. (27) Curiosamente, ao contrário, do que aconteceu no caso de Darfur, não foi ouvido nenhum clamor de genocídio  em Washington, sobre esse número impressionante de mortes na República do Congo - de magnitude mais elevada do que os números citados como prova de genocídio, em Darfur.
A maioria das mortes ocorreu na parte oriental da República Democrática do Congo (RDC), onde o líder rebelde Laurent Nkunda continuava a travar uma guerra de recursos contra o governo democraticamente eleito e reconhecido internacionalmente, do Presidente Joseph Kabila. Laurent Nkunda alegava que estava a proteger a minoria étnica tutsi da República Democrática do Congo contra os remanescentes do exército ruandês hutu que fugiram para a República Democrática do Congo após o genocídio ruandês em 1994. (28)
Laurent Nkunda era um tutsi étnico, assim como o seu patrono, o ditador norte-americano do Ruanda, Paul Kagame. Os soldados da paz da ONU não relataram as atrocidades contra a minoria Tutsi na região nordeste do Kivu, rica em minerais. Fontes congolesas relataram que os ataques contra congoleses de todas as etnias eram uma ocorrência diária na região e que as tropas de Laurent Nkunda eram responsáveis pela maioria desses ataques. (29)
Demissões Estranhas 

O caos político na República Democrática do Congo intensificou-se em Setembro de 2008, quando o Primeiro Ministro desse país,  Antoine Gizenga, de 83 anos, se demitiu. Então, inesperadamente, em Outubro, o Comandante da Operação de Manutenção de Paz das Nações Unidas no Congo, de nacionalidade   espanhola, Tenente General Vicente Diaz de Villegas, demitiu-se após cerca de sete semanas no cargo. Declarou falta de confiança na liderança do Subsecretário Geral da ONU, Alan Doss. Disse ao jornal espanhol El Pais: “Senti que o meu dever era demitir-me, para chamar à atenção e não para assumir a responsabilidade das possíveis consequências [da aplicação do Plano de Separação.]” (30) Esse Plano de Separação da ONU era, com efeito, separar a província de Kivu da República Democrática do Congo, uma medida que enfraqueceria gravemente a RDC e teria, entre outras, consequências para a China.(31)

Joseph Kabila, o primeiro Presidente democraticamente eleito da República Democrática do Congo, estava a negociar um importante acordo comercial de 9 biliões de dólares, entre a RDC e a China, algo pelo qual Washington não se sentia, obviamente, feliz. Em Abril de 2008, Kabila tinha dado uma entrevista ao jornal belga, Le Soir, onde declarou que a China era agora, o parceiro comercial e de desenvolvimento mais importante do Congo, prometendo que a sua influência se expandiria ainda mais à custa da Europa. A entrevista ocorreu depois de uma delegação do governo belga ter levantado preocupações sobre os direitos humanos e a corrupção, durante uma visita oficial ao Congo, que o Presidente Kabila considerou arrogante e ofensiva. O registo colonial da Bélgica sobre violações dos direitos humanos no Congo, não era exemplar.(32)
Kabila foi citado como tendo dito que o Congo havia feito uma “escolha irreversível” ao apontar a China como parceiro preferido, em vez da Europa e da Bélgica, antigo dono colonial do Congo. (33)
Pouco depois da entrevista de Kabila ao Le Soir, Nkunda lançou a sua nova ofensiva. Nkunda era um guarda-costas de longa data do presidente Kagame, do Ruanda, que tinha sido treinado em Fort Leavenworth, no Kansas. Todos os sinais indicavam um papel pesado, embora secreto, dos EUA nos assassinatos do Congo pelos homens de Nkunda. O próprio Nkunda era um antigo oficial do Exército congolês, professor e pastor adventista, da Igreja do Sétimo Dia. Mas, graças ao treino em Fort Leavenworth, ele tornou-se mais conhecido por matar.
As forças bem equipadas e relativamente disciplinadas de Nkunda eram, principalmente, do país vizinho do Ruanda, onde os técnicos militares dos EUA tinham operado. Uma parte dessas forças tinha sido recrutada na população minoritária tutsi, da província congolesa de Kivu do Norte. Os suprimentos, o financiamento e o apoio político para o exército rebelde congolês vieram do Ruanda. De acordo com a revista American Spectator, “o Presidente Paul Kagame, do Ruanda, tem sido um apoiante de Nkunda de longa data, que, originalmente, era um oficial dos serviços secretos implicado na queda do dirigente do Ruanda, do governo despótico hutu, sobre o seu país”.
A Agência de Notícias do Congo tornou público que não era para proteger os seus irmãos nativos tutsis que Nkunda estava a lutar, mas sim:
"Os seus verdadeiros motivos... são ocupar a província rica em minerais do Norte do Kivu, roubar os seus recursos e actuar como um exército mercenário, no leste do Congo, para o governo do Ruanda, liderado pelos tutsis, em Kigali. O Presidente Kagame quer uma posição no leste do Congo para que o seu país possa continuar a beneficiar da pilhagem e a exportar minerais como a columbita-tantalita (Coltan). Hoje, muitos especialistas da região concordam que os recursos são a verdadeira razão pela qual Laurent Nkunda continua a criar o caos na região com a ajuda de Paul Kagame.(35)
O Coltan era um metal vital que controlava o fluxo de electricidade em todos os telefones celulares do mundo, o que significava que a sua importância estratégica na década anterior, tinha aumentado enormemente. Uma organização missionária religiosa dinamarquesa  declarou que o controlo sobre os lucros das minas da empresa DR Congo Coltan, era uma das principais causas dos constantes conflitos sangrentos, nesse país. A região possuía as maiores reservas mundiais desse mineral importante. (36).

A  seguir:
Genocídio Hutu e Tutsi: O Papel dos EUA
Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos 
Email: luisavasconcellos2012@gmail.com
Webpage: NO WAR NO NATO



Kriegsgefangenenlager in Amerika


Von Larry Romanoff, 02. Juni 2020

Übersetzung: K.R.

*

Hinweis an die Leser: In Anbetracht der immensen Bedeutung dieses Themas leiten Sie diesen Artikel bitte über Ihren E-Mail-Verteiler weiter und posten Sie ihn in Ihren Blogs, Internetforen usw., mit der Bitte, dass jeder, der irgendwelche Details oder Familiengeschichten kennt, die Licht auf diese Ereignisse werfen könnten, diese bitte direkt an den Autor unter 2186604556@qq.com weiterleitet.


DEUTSCH ENGLISH ESPAÑOL ITALIANO NEDERLANDS PORTUGUÊS SVENSKA

Diese Geschichte hat alle Voraussetzungen, um sich für eine Verschwörungstheorie zu qualifizieren und macht vielleicht keinen Sinn für Sie ohne einige Hintergrundinformationen über den Zusammenhang.

Bevor die USA in den Ersten Weltkrieg eintraten, wurde eine enorme, jahrelange antideutsche Propagandakampagne von der Creel-Kommission entfesselt, die von Walter Lippman und Edward Bernays geleitet wurde, letzterer war ein Neffe von Sigmund Freud. (1) (2) Die öffentliche Literatur griff alles Deutsche in Amerika an, auch Schulen und Kirchen. In vielen Schulen wurde den "reinen Amerikanern" verboten, die deutsche Sprache zu unterrichten, und die Verwalter wurden aufgefordert, "alle illoyalen Lehrer", also alle Deutschen, zu entlassen. Die Namen unzähliger Städte wurden geändert, um ihren deutschen Ursprung zu eliminieren: Berlin, Iowa wurde zu Lincoln, Iowa. Deutsche Lebensmittel und Namen von Gerichten wurden aus den Restaurants verbannt; Sauerkraut wurde zu "Freiheitskraut", Dackel wurden zu "Freiheitshunden" und Deutsche Schäferhunde zu "Elsässern".

LESEN MEHR

bf pic

Larry Romanoff,

contributing author

to Cynthia McKinney's new COVID-19 anthology

'When China Sneezes'

When China Sneezes: From the Coronavirus Lockdown to the Global Politico-Economic Crisis

APPEAL


APPEAL TO THE LEADERS OF THE NINE NUCLEAR WEAPON STATES

(China, France, India, Israel, North Korea, Pakistan, Russia, the United Kingdom and the United States)

中文 DEUTSCH ENGLISH FRANÇAIS ITALIAN PORTUGUESE RUSSIAN SPANISH


manlio +maria

上海的月亮

World Intellectual Property Day (or Happy Birthday WIPO) - Spruson ...


LARRY ROMANOFF on CORONAVIRUS

Read more at Moon of Shanghai

V.P. 2007

EN video comitato

20 questions to Putin


President of Russia Vladimir Putin:

Address to the Nation

Address to the Nation.

Erdogan


Imagem

00
PT -- VLADIMIR PUTIN na Sessão plenária do Fórum Económico Oriental

Excertos da transcrição da sessão plenária do Fórum Económico Oriental

Joint news conference following a Normandy format summit

https://tributetoapresident.blogspot.com/2019/12/joint-news-conference-following.html

Joint news conference following the Normandy format summit.

irmãos de armas


Legendado em PT. Clicar em CC, escolher PT.

índice


“Copyright Zambon Editore”

PORTUGUÊS

GUERRA NUCLEAR: O DIA ANTERIOR

De Hiroshima até hoje: Quem e como nos conduzem à catástrofe

ÍNDICE

TRIBUTE TO A PRESIDENT


NA PRMEIRA PESSOA

Um auto retrato surpreendentemente sincero do Presidente da Rússia, Vladimir Putin

CONTEÚDO

Prefácio

Personagens Principais em 'Na Primeira Pessoa'

Parte Um: O Filho

Parte Dois: O Estudante

Parte Três: O Estudante Universitário

Parte Quatro: O Jovem especialista

Parte Cinco: O Espia

Parte Seis: O Democrata

Parte Sete: O Burocrata

Parte Oito: O Homem de Família

Parte Nove: O Político

Apêndice: A Rússia na Viragem do Milénio


The Putin interviews


The Putin Interviews
by Oliver Stone (
FULL VIDEOS) EN/RU/SP/FR/IT/CH


http://tributetoapresident.blogspot.com/2018/07/the-putin-interviews-by-oliver-stone.html




Followers