bf pic

TRIBUTE TO A PRESIDENT


NA PRMEIRA PESSOA

Um auto retrato surpreendentemente sincero do Presidente da Rússia, Vladimir Putin

CONTEÚDO

Prefácio

Personagens Principais em 'Na Primeira Pessoa'

Parte Um: O Filho

Parte Dois: O Estudante

Parte Três: O Estudante Universitário

Parte Quatro: O Jovem especialista

Parte Cinco: O Espia

Parte Seis: O Democráta

Parte Sete: O Burocrata

Parte Oito: O Homem de Família

Parte Nove: O Político

Apêndice: A Rússia na Viragem do Milénio


MANLIO

Monday, June 4, 2018

BRASILEIRO -- BENJAMIN FULFORD: 04:06:2018

04.06.2018  

Mudanças tectônicas na paisagem geopolítica continuam num ritmo vertiginoso ao redor do mundo, na medida em que a turba satânica khazariana está sendo sistematicamente removida de todos os centros de poderes mundiais, concordam múltiplas fontes. A situação chegou tão longe que o grande Kahuna Khazari, Israel, em breve, poderá ser libertado dos satanistas, dizem fontes do Pentágono. Na Europa, as mudanças de governo na semana passada na Itália, Espanha e Eslovênia significam que apenas uns restantes na França, Alemanha e Holanda permanecem sob controle khazariano, dizem as fontes.
A libertação Ocidental é necessária, para garantir que as negociações Oriente/Ocidente, em Cingapura, na semana que vem, não resultem numa ordem mundial em que somente a China venha substituir a máfia khazariana no topo do mundo, dizem as fontes.
Vamos começar examinando a situação em Israel, onde o principal líder satanista, Benjamin Netanyahu, como seu antecessor Adolf Hitler, agora está escondido num bunker, enquanto se prepara para sua inevitável derrota. A declaração pública do Secretário-Geral da Otan, Jens Stoltenberg, na semana passada, de que a aliança não virá em defesa de Israel, no caso de ser atacado pelo Irã é um sinal visível da iminente mudança de regime em Israel.

O mais importante, ainda, é o não dito, segundo fontes do Pentágono, de que “a OTAN não defenderá essa entidade sionista ilegítima do urso [russos]”. De qualquer forma, Netanyahu e seu regime perderam o apoio da maioria dos judeus reais (em oposição aos satanistas armados) por causa de seu comportamento assassino.
Esta denúncia pública de Israel acontece, quando a Arábia Saudita se prepara para anunciar Mutaib bin Abdullah como seu novo governante, substituindo o sionista Bin Salman, que foi assassinado em 21 de Abril, disseram fontes do Pentágono.
Isso é importante, porque significa que o controle do petróleo saudita, o principal suporte do petrodólar, saiu das mãos dos sionistas, dizem as fontes. Com certeza, Bin Salman, que estava diariamente presente na imprensa, até o tiroteio em seu palácio em 21 de Abril, desapareceu da vista do público. No entanto, um anúncio público será necessário, para confirmar o que essas fontes estão dizendo.
Todavia, uma fonte diferente do Pentágono, na semana passada, avançou com notícias relacionadas que podem afetar o gerenciamento e a propriedade da maioria das empresas ocidentais listadas publicamente. De acordo com essa fonte, os apoiadores militares do regime Trump, estão considerando dar a Leo Wanta e seu pessoal, o controle dos US $ 26 trilhões em fundos que eles alegam terem sido ilegitimamente tirados deles pela facção Bush, da máfia khazariana. Wanta foi convidado para ir a Washington DC, esta semana, para discutir esses fundos, diz a fonte. "Se conseguirem esse dinheiro para a Wanta, eles terão que retirá-lo do Vanguard Group", disse a fonte. O Vanguard (Bush?), Junto com a State Street Coprporation (Rockefeller?) E Blackrock, Inc (Rothschild?), controlam a maioria das grandes corporações ocidentais.
O movimento dos militares dos EUA para assumirem o Vanguard e, possivelmente, a State Street, assim como a Blackrock pode estar em preparação para um confronto com uma aliança euroasiática pelo controle do sistema financeiro mundial. Neste contexto, a cúpula da próxima semana entre o presidente dos EUA, Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un é muito mais do que apenas a paz na península coreana. De acordo com os Illuminati Gnósticos, Kim Jong-um, de fato, é o líder de uma aliança que controla a China, bem como grande parte do Leste da Ásia.
Independentemente de saber se isso é verdade ou não, sobre quem Kim venha a ser, uma olhada na situação global do mundo, indubitavelmente, demonstra que o complexo militar-industrial ocidental e uma aliança eurasiana estão negociando uma nova maneira de gerir o planeta.
A chave, a respeito de quem sairá por cima, parece cada vez mais estar com a Índia. A Índia tem uma população jovem, aproximadamente, igual em tamanho ao rápido envelhecimento da população da China. É por isso que o lado dos EUA, tem tentado convencer a Índia a unir-se se unir numa aliança com o Japão, Austrália e Indonésia para "conter a China". Na semana passada, os EUA renomearam seu Comando do Pacífico para Comando Indo-Pacífico, como parte de seu apelo à Índia.
No entanto, os chineses parecem ter a vantagem, na medida em que a Índia se uniu à Rússia e à China como parte da Organização de Cooperação de Xangai, uma aliança econômica e militar na Eurásia.
Na semana passada, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, falando no encontro de Shangri La, em Cingapura, deixou claro que a Índia não estava interessada em participar de grandes jogos de poder, dizendo que “uma Ásia de rivalidade vai nos levar de volta ao passado, enquanto uma  Ásia de cooperação moldará este século”. Recomendamos ler o discurso não muito longo de Modi, no link abaixo:
De qualquer forma, a reunião de Shangri La, em Cingapura, é apenas uma das várias reuniões de alto nível, que acontecerão na preparação para o encontro Kim Trump, na próxima semana. Nesta semana, também, será realizada uma cúpula do G7 (governo ocidental) no Canadá, bem como uma reunião de Bilderberg (governo Ocidental secreto), na Itália, enquanto o Ocidente tenta coordenar sua posição nas negociações de poder maior com a Ásia, na próxima semana.
Agora, vamos voltar para a situação Ocidental, começando pela Europa. Em primeiro lugar, provavelmente não seja coincidência que a reunião de Bilderberg deste ano, esteja acontecendo na Itália, uma vez que o novo regime italiano se opõe ao euro e, portanto, é uma ameaça existencial à União Européia, tal como se encontra agora. Em termos básicos, a matemática econômica torna muito óbvia de que o Sul da Europa (Espanha, Itália, Grécia e Portugal) estaria melhor sem o euro e essa é uma realidade que a elite secreta inevitavelmente terá de enfrentar. Além disso, a queda da casa nazista Bush, significa que, no momento atual, não há mais nenhum apoio sério da indústria militar ocidental para o projeto da UE centrado na Alemanha. Um colapso que, no entanto, acontecerá em câmera lenta.
A outra questão, é que a Eslovénia (a pátria de Melania Trump) juntou-se à Polónia e à Hungria na eleição de um regime que se opõe à atual política de imigração em massa da UE, principalmente de países muçulmanos. A tendência geral é que a Europa Central, agora, esteja se unindo ao Sul da Europa para se afastar da dominação da UE pela Alemanha (mais os lacaios franceses), embora por diferentes razões. O Reino Unido, com o seu Brexit, também já disse não à UE. Claramente, uma Europa profundamente dividida não está em posição de representar o Ocidente em grandes negociações com o Oriente.
O outro importante centro de poder do G7, o Japão, também está em profunda desordem, porque o regime lá é visto pelo submundo asiático como um governo colonial de escravos. Os norte-coreanos são vistos como o governo legítimo da Coreia e do Japão, dizem fontes de direita japonesas e, é por isso que os japoneses foram excluídos das negociações norte-americanas e norte-coreanas. Além disso,  representantes de Bush como Richard Armitage (primo de Barbara Bush) perderam  poder, o que significa que existe um vácuo na rede de controle colonial dos EUA no Japão.
É neste contexto que devemos olhar para a decisão de Trump, de impor tarifas sobre o aço e o alumínio europeus,  japoneses e canadenses. O objetivo é usar essa medida para forçar uma mudança na governança econômica do Ocidente. De certa forma, Trump está certo em dizer que, se os EUA têm um déficit comercial de US $ 800 bilhões por ano, ganhar uma guerra comercial é algo óbvio.
No entanto, o que ele está apenas percebendo, é que a economia dos EUA foi deixada de lado por enormes déficits comerciais, porque os donos do atual sistema financeiro, centrado nos petrodólares, em sua maioria, eram não americanos ou patriotas americanos. Nossas fontes sugerem que é por isso que a mudança com Wanta, se for verdade, pode ser um sinal de que Trump, finalmente, está encontrando o alvo certo. Se Trump conseguir o controle do sistema baseado no dólar, euro e iene, ele estará numa posição muito mais forte para negociar uma nova arquitetura financeira/política global com a aliança eurasiana. Seu regime só precisa reunir mais alguns oligarcas e ele pode ser capaz de fazer isso. Nessa frente, um progresso constante continua, dizem fontes do Pentágono. 
Por outro lado, "A líder nº 2 do culto sexual NXIVM, a atriz Allison Mack, pode ter cantado para derrubar Hollywood e a Bronfmans", dizem as fontes. A família Bronfman enriqueceu vendendo bebida alcoólica para Al Capone e, agora, é uma das principais famílias controladoras de gigantes da mídia como a AOL - Time Warner.
A outra grande entidade da mídia sionista sob ataque é a Disney. "Roseanne Barr, da ABC, foi 'martirizada' para derrubar Valerie Jarret, manipuladora de [Barak} Obama  e seu defensor da Disney, o CEO Bob Iger, CEO da Disney e que seu programa cancelado, pode ser passado para a Fox", dizem fontes do Pentágono. Além disso, eles acrescentam: “Harvey Weinstein e seu ex-empregador, a Disney e outros, podem ser acusados de violações da RICO, por administrarem uma empresa sexual criminosa, uma vez  que Trump pode, até mesmo, nacionalizar esse ícone cultural para proteger as crianças”.
Além disso, em Washington, DC, “agentes do Estado Profundo e Sionistas são história, na medida em que o Departamento de Defesa assume o processo de credenciamento de segurança para todo o governo, permitindo apenas chapéus brancos e patriotas”, dizem as fontes.
O que tudo isso significa é que por trás de Trump, o governo militar está solidificando sua posição como representante do Ocidente nas negociações com a Aliança Eurasiana.
No entanto, Trump precisa aprender que tentativas de intimidação e batidas na mesa não são bem vistas na Ásia. A China deixou claro que vai se encontrar com os EUA na metade do caminho, mas que qualquer tentativa de Trump de tentar causar problemas em suas metas em algum acordo, irá sair pela culatra, emitindo uma declaração que disse, em parte:
"Todos os resultados econômicos e comerciais das negociações não terão efeito se o lado americano impuser quaisquer sanções comerciais, incluindo aumento de tarifas."

Não obstante, todos os movimentos descritos acima representam uma mudança fundamental de direção, na forma de como o mundo é governado. Agora que o pesadelo apocalíptico sionista está terminando, a humanidade está sendo libertada.


Tradução: Sementes das Estrelas / Candido Pedro Jorge

índice


“Copyright Zambon Editore”

PORTUGUÊS

GUERRA NUCLEAR: O DIA ANTERIOR

De Hiroshima até hoje: Quem e como nos conduzem à catástrofe

ÍNDICE

Followers

Google+ Followers